quinta-feira, 14 de março de 2019


Benfica 3 - 0 Zagreb: Cansou, mas moralizou!

Blog Benfica Francisco Ferreira Ferro
Ferro consumou a reviravolta
Após a derrota na Croácia não restava outra alternativa ao Benfica para passar aos quartos-de-final da Liga Europa 2018/19 que não fosse a vitória sobre o Dínamo nesta 2ª mão. Com a prioridade máxima apontada ao campeonato, que tem o próximo jogo agendado já para domingo, terão sido muitas as dores de cabeça para o treinador na escolha da equipa. Apesar da prioridade ser o campeonato as competições europeias têm sempre que ser um objetivo para um clube da dimensão do Benfica. O empate com o Belenenses esfriou um pouco os ânimos dos adeptos que deixaram o Estádio da Luz mais despido do que  tem sido habitual.
Foram várias as mudanças promovidas Bruno Lage procedendo a cinco alterações relativamente ao jogo da última segunda-feira. Grimaldo foi poupado entrando Yuri Ribeiro para o seu lugar, Fejsa regressou após dois meses de paragem e Gabriel regressou após cumprir castigo. Zivkovic entrou para a esquerda do meio campo e Jota estreou-se a titular na equipa principal acompanhando Rafa na frente de ataque.

Benfica vs Dínamo Zagreb - Liga Europa 2018/19
Suplentes: Svilar, Grimaldo (45'), Samaris, Gedson (119'), João Félix (62'), Cervi e Jonas (45')

Uma grande soneca

A forma como o Benfica encarou este jogo, com Rafa e Jota na frente de ataque exigia da equipa uma dinâmica bem acima do que apresentou. A falta de presença na área de ambos os jogadores torna inócuo o jogo pelas alas já que a maioria dos cruzamentos estaria destinada ao fracasso. Exigia-se portanto muita movimentação com e sem bola do meio campo para a frente de forma a criar os espaços necessários para o jogo interior combinativo funcionar.
Foi o oposto do espectável que se viu durante boa parte do primeiro tempo com um jogo muito lento e mastigado por parte do Benfica facilitando a vida a uma equipa croata muito bem organizada. Apenas a meio da primeira parte o Benfica tem um remate à baliza por parte de Zivkovic, que passou muito por cima da barra. Apesar de tudo este lance teve o condão de acordar um pouco a equipa.
Benfica blog Jonas abriu o marcador
Jonas levou a equipa para prolongamento
Nos últimos 10 minutos da primeira parte viu-se finalmente um Benfica a encostar o adversário à sua grande área fruto da maior velocidade que incutiu ao seu jogo. Pizzi e Rafa colocaram à prova o guarda-redes adversário com remates de fora da área e Rafa volta a dispor de boa ocasião, mas não executou bem o cabeceamento ao primeiro poste. Não foi o desejado mas pelo menos os minutos finais deixaram algum alento para a segunda parte.

Mais perto do real valor

Bruno Lage colocou Grimaldo e Jonas em campo logo após o intervalo, num sinal de que o jogo era mesmo para ganhar. A presença de Jonas dá outra dimensão ao Benfica, principalmente o jogo entre linhas e os apoios frontais que permitem à equipa jogar mais em cima do adversário. Já Grimaldo, mesmo abaixo do rendimento habitual está numa galáxia diferente de Yuri Ribeiro.
Com um onze já mais próximo do habitual o Benfica foi mais igual a si próprio e começou-se a sentir que o golo que igualava a eliminatória estava próximo. E surgiu por intermédio do inevitável Jonas que remata forte e colocado após assistência de Pizzi de cabeça. O golo galvanizou ainda mais o Benfica na procura do segundo golo que evitasse o prolongamento.
Blogs Benfica Grimaldo marcou um golão
Grimaldo fez mais um golão
Apesar do esforço do Benfica o golo não aparecia tendo sido mesmo o Dínamo a dispor de algumas bolas paradas na parte final do desafio que causaram alguns calafrios. Odysseas manteve a baliza inviolada e o jogo seguiu para prolongamento.

Muito poder de fogo

O golo no prolongamento chegou relativamente cedo através de uma bomba de Ferro que fez o seu terceiro golo pelo Benfica, e que golo! Os croatas tentaram reagir mas viram um dos seus jogadores ser expulso por acumulação de amarelos o que lhes limitou a capacidade de resposta. Quase de seguida a eliminatória fica fechada com mais um monumental golo de Grimaldo numa execução que já começa a ser imagem de marca.
Até final o Benfica controlou o jogo com bola e foi dispondo de várias oportunidades aproveitando os espaços que o Zagreb ia dando na sua defensiva. A mais clara é mais um forte remate de Rafa que vê o guarda-redes negar-lhe o mais do que merecido golo. O Dínamo ainda esteve perto de reduzir e colocar alguma tensão no jogo, mas felizmente a bola saiu ligeiramente ao lado do poste.
Está consumada a passagem do Benfica aos quartos-de-final da competição, de forma suada, mas merecida. Já no domingo temos a deslocação a Moreira de Cónegos onde só os três pontos interessam. Vamos a isso!


Momento | Positivo | Negativo


O momento em que o Benfica nos escolhe
Golo de Jonas: Pela importância, já que levou o jogo para prolongamento, e pela execução. Aquele ligeiro recuar para se enquadrar com a bola é de predestinado. A colocação do remate de primeira é de pistoleiro. 
Prémio Pablo Aimar
Rafa: Fantástico o ritmo que impôs sempre que a bola lhe chegava aos pés criando sempre instabilidade na defensiva croata. Quando a definição está ao nível da dinâmica é imparável.
Prémio Bruno Cortez
Primeira meia hora: Mesmo com as alterações apresentadas exigia-se mais por parte da equipa. Até porque na hipótese de fazer o resultado cedo seria mais fácil fazer a gestão do jogo e do esforço.


Aqui que ninguém nos ouve:
  • Difícil a vida de treinador. Se poupa, não devia poupar. Se mete a carne toda no assador, devia poupar. Se se fica pelo meio-termo, devia ter apostado tudo para evitar o prolongamento. Só há uma solução para os treinadores: GANHAR!
  • O prolongamento foi mau, mas não foi o pior que podia ter acontecido. O pior era ter prolongado a exibição sonolenta da primeira parte e ir para o próximo jogo com a moral em baixo. Assim poderá haver desgaste físico mas mentalmente a equipa sai reforçada. E quão necessitada desse reforço estava a equipa.
  • E os golos do Ferro e do Grimaldo!? Há melhor vitamina para um jogador do que aquelas duas pastilhas?
  • Agora venha um bom sorteio. Ainda estão grandes equipas em prova, mas pelo menos há um certo mete nojo que já foi de vela: Sevilha :))

Abraço


1 comentário:

  1. até acho que tivemos mais velocidade na primeira do que na segunda parte só que na primeira o nosso jogo terminava à entrada da área por falta de avançados, sobretudo um ponta de lança.

    jogar em casa sem ponta de lança perante uma equipa que já se previa vir fechada, alias já em casa tinha sido assim, pode ser um desporto interessante mas não é futebol.

    o jota ainda não tem, nem características nem qualidade para ser segundo avançado sequer, e mesmo a extremo temos três ao quatro à frente dele.
    tem falta daquilo que felix já tem que é clarividência e neste momento o pior para ele é estar no plantel principal.

    ResponderEliminar

Espreite também...

Moreirense 0 - 4 Benfica: Ora então, Poker(alho)!