sábado, 22 de julho de 2017


Benfica vs Hull City - Morno

Em ritmo de férias algarvias

Benfica defronta Hull City em jogo morno
Benfica defronta Hull City em jogo morno
Continua a pré-temporada do Benfica. Desta vez o adversário foi o Hull City, equipa do segundo escalão do futebol inglês.

O Benfica apresentou um onze onde pontificavam alguns jovens da formação conjugados com o regresso de alguns consagrados que regressaram mais tarde aos trabalhos. Entre a pouca disponibilidade física destes últimos e a situação indefinida dos primeiros, que os inibe um pouco, acabando por privilegiar a segurança em detrimento do risco, a primeira parte foi muito morna. Registo apenas para alguns remates de fora da área.

A segunda parte trouxe um Benfica mais afoito, com maior velocidade da bola e dos jogadores. Jogou-se mais no último terço ofensivo do Benfica mas as oportunidades de golo não apareciam como esperado.

Foi um pouco contra a corrente do jogo que o Hull City se adiantou no marcador, fruto de um lance em que a defesa facilitou no alívio da bola, tendo o jogador do Hull feito um golo de belo efeito.

Reagiu o Benfica pressionando mais alto e criando dificuldades na saída de bola do Hull. Rui Vitória fez entrar os jogadores que se têm apresentado com mais ritmo de jogo e capacidade de concretização, Jonas e Seferovic e o domínio acentuou-se.

Até ao final assistiu-se a várias tentativas para chegar ao golo, com lances por ambos os flancos, muitos cruzamentos para a área e alguns remates de fora da área mas o golo não apareceu. Destaque para o remate de Seferovic ao poste que poderia ter dado a justa igualdade.


Destaques do Baralho

REI: Aurélio Buta – Surpreendeu pela forma desinibida como se apresentou em campo. Não deu para avaliar em termos defensivos porque não foi muito posto à prova. Mostrou qualidade em termos ofensivos tendo-se integrado com critério em vários momentos do jogo. Tal não admira tendo em vista a sua posição de origem.

ÁS: Willock e Zivkovic – Os dois alas, a jogarem com o chamado “pé trocado”, acrescentaram criatividade e acutilância ao jogo do Benfica. Dos seus pés saíram vários cruzamentos teleguiados que mereciam outra sequência por parte dos jogadores de área.

SENA: Eusébio Cup – Esta data poderia ter sido aproveitada para a realização da Eusébio Cup no estádio da Luz. Mereciam-no os sócios e adeptos e merecia-o o próprio Eusébio.

DUQUE:
Lisandro López – Tivesse saído um minuto mais cedo, quando o Jardel se encontrava já junto ao quarto árbitro e não teria ficado umbilicalmente ligado à derrota. Tal não significaria uma boa exibição, já que foi autor de várias outras precipitações. Apresenta sempre pouca tranquilidade para a maturidade que já devia apresentar.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Espreite também...

Tondela 1 - 3 - Benfica - Lutar contra o destino