sexta-feira, 16 de novembro de 2018


Emprestados do Benfica - O balanço

Benfica Raúl Jiménez
Raúl Jiménez dificilmente voltará ao Benfica
O Benfica reduziu o seu quadro de jogadores emprestados para menos de duas dezenas. São 18 os jogadores emprestados nesta temporada 2018/19, sendo que há dois anos eram 41 e na última época eram 31. Este é o caminho a seguir e espera-se que na próxima temporada volte a haver uma redução significativa no lote dos jogadores emprestados.
Aproveito esta paragem da Liga NOS para fazer um pequeno balanço dos jogadores que fazem parte dos quadros do Benfica e se encontram emprestados.
Os atletas emprestados estão distribuídos da seguinte forma: Liga NOS (5), Ledmam LigaPro (2), Itália (3), Inglaterra (1 PL+1 PS), Arábia Saudita (1), Brasil (1), Espanha (1 SD), Turquia (1), Alemanha (1) e Argentina (1).
De uma forma geral podemos dividir os atletas nos seguintes grupos:
  • Jogadores da formação: André Ferreira, Diogo Gonçalves, Pedro Pereira e Pedro Rodrigues.
  • Apostas de baixo investimento: Alan Júnior, Dálcio, Heriberto Tavares, Martin Chrien, Pawel Dawidowicz e Salvador Agra.
  • Apostas de investimento médio/alto: André Carrillo, Cristian Arango, Filipe Augusto, Lisandro Lopes, Luka Jovic, Marcelo Hermes, Óscar Benitez e Raúl Jiménez.
Benfica Heriberto Tavares
Heriberto Tavares impôs-se no Moreirense

As expectativas para estes jogadores:

  • Potencial para a equipa principal: André Carrillo, Diogo Gonçalves, Heriberto Tavares, Luka Jovic e Raúl Jiménez.
  • Possibilidade de dar algum retorno financeiro: Lisandro Lopes, Pawel Dawidowicz e Pedro Pereira.
  • Jogadores para o eterno carrossel: Alan Júnior, Dálcio, Cristian Arango, Marcelo Hermes, Filipe Augusto, Óscar Benitez e Salvador Agra.
  • Quero ver melhor: André Ferreira, Martin Chrien e Pedro Rodrigues.
Benfica Luca Jovic
Luka Jovic deverá ver a opção de compra exercida pelo Frankfurt
Guarda redes (1):
André Ferreira: Desportivo das Aves (Portugal) - jogos - 540 minutos - 5 golos sofridos
Defesas (3):
Lisandro Lopez: Génova (Itália) - jogos
Marcelo Hermes: Cruzeiro (Brasil) - 15 jogos - 1301 minutos - golo
Pedro Pereira: Génova (Itália) - jogos - 452 minutos
Médios (5):
Dálcio: Belenenses (Portugal) - jogos - 595 minutos
Filipe Augusto: Alanyaspor (Turquia) - jogos - 297 minutos
Martin Chrien: Santa Clara (Portugal) - jogos - 189 minutos
Pawel Dawidowicz: Verona (Itália) - jogos - 517 minutos
Pedro Rodrigues: Vitória de Guimarães (Portugal) - jogos - 50 minutos
Avançados (9):
Alan Junior: Farense (Portugal) - jogos - 546 minutos
André Carrillo: Al Hilal (Arábia Saudita) - jogos - 691 minutos - golos
Cristian Arango: Tondela (Portugal) - 10 jogos - 544 minutos - golo
Diogo Gonçalves: Nottingham Forest (Inglaterra) - jogos - 362 minutos
Heriberto Tavares: Moreirense (Portugal) - 11 jogos - 691 minutos - golos
Luka Jovic: Eintracht Frankfurt (Alemanha) - 15 jogos - 839 minutos - 12 golos
Óscar Benitez: Argentinos Juniores (Argentina) - jogos - 443 minutos
Raul Jiménez: Wolverhampton (Inglaterra) - 12 jogos - 985 minutos - golos
Salvador Agra: Cádiz (Espanha) - jogos - 303 minutos

Abraço


10 comentários:

  1. O Diogo Gonçalves está a ser usado pelo Rui Jorge a lateral direito nos sub21 nacionais. Uma hipótese para o futuro...

    ResponderEliminar
  2. Pode ser uma boa opção. Até porque me parece que começa a ficar algo curto como extremo/avançado para o que esperava dele.

    ResponderEliminar
  3. mas penso que a redução dos emprestados este ano teve muito a ver com a criação dos sub-23.

    o lisandro a não jogar duvido que venha a dar dinheiro.

    mas sinceramente tendo em consideração o que se conhecia dos jogadores e o seu custo continua sem se perceber, ou talvez se perceba, a razão da contratação de felipe augusto, agra e oscar benitez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felipe Augusto, Salvador Agra e Oscar Benítez são investimentos de baixo custo que depois acabam por ser pagos e ainda obtemos um livro residual com os sucessivos empréstimos. É uma forma inteligente de alimentarmos o networking com os agentes, mas ao mesmo tempo irmos fazendo dinheiro.

      Por outro lado, ao adquirirmos os passes desses jogadores estamos a aumentar o ativo. Dessa forma conseguimos nivelar a desvalorização de jogadores como o Salvio, cujo valor no ativo desce muito por estar no último ano de contrato.

      Este tipo de negócios existem em todos os tubarões europeus pelos mesmos motivos.

      Eliminar
    2. A redução tem sido mesmo efetiva. Os sub-23 serviram principalmente para acolher os jogadores das camadas jovens de segunda linha.
      O principal empurrão para esta redução deriva das novas regras de empréstimos na primeira liga.

      Eliminar
    3. Não me causa muita comichão essa política desde que se mantenha num número controlado. Acho que estamos a entrar nos eixos.

      Eliminar
    4. @BragattiSLB
      mas grande parte do contingente de emprestados eram sobretudo a malta que saia das camadas jovens e não tinha espaço na b.

      @pp
      só podes estar a brincar filipe augusto e oscar benitez baratos com um a custar 2M por 50% do passe e o outro 4.4M.

      pensei que fosses mais inteligente acabam por se pagar? e então os prémios de assinatura e as comissões que pagas e os custos financeiros não entram.
      se vires o dinheiro que destes por eles é um pau e pagas já e vai recebendo aos bochechos e até parece que os juros estão baratos.
      essa historia dos agentes era boa se depois visses que recebias algo em troca ou coisa do género mas o que vemos é nada então o caso do agra e do benitez se alguém beneficiou não foi o clube porque são empresários que nunca tiveste nem antes nem depois negócios com eles.
      mas se calhar tens razão alguém fica a ganhar.

      essa do activo vou achar que és só ingénuo, porque não tem pés nem cabeça porque para comprares um ativo tens de o pagar e o dinheiro em si é um activo para isso mais valia ficar com o dinheiro em conta.

      os negocios dos outros pouco me interessa até porque eles tem uma coisa que por aqui falta, que é dinheiro, uma coisa são jogadores desconhecidos, jovens , que podem dar ou não.
      outra coisa são marmanjos que nunca deram nada antes e só quem acredita no pai natal é que pode achar que podiam dar.

      Eliminar
    5. Podes comparar os emprestados extra-formação:
      2017/18
      "Apostas de baixo investimento: Alan Júnior, Dálcio, Dawidowicz, Erdal Rakip, Fali Candé, John Murillo, Mateus Leal, Mato Milos, Patrick Vieira, Ponk, Reinildo Mandava, Salvador Agra e Thabo Cele.
      Apostas de investimento médio/alto: Arango, Carrillo, César, Cristante, Filipe Augusto, Ivan Saponjic, Lisandro Lopes, Luka Jovic, Marcelo Hermes, Óscar Benitez, Taarabt e Talisca. Neste grupo incluo Ola John, que ainda não tem clube onde jogar."

      2018/19
      "Apostas de baixo investimento: Alan Júnior, Dálcio, Heriberto Tavares, Martin Chrien, Pawel Dawidowicz e Salvador Agra.
      Apostas de investimento médio/alto: André Carrillo, Cristian Arango, Filipe Augusto, Lisandro Lopes, Luka Jovic, Marcelo Hermes, Óscar Benitez e Raúl Jiménez."

      Eliminar
  4. sim existiu claramente uma diminuição dos extra formação emprestados e ainda bem é já um avanço.

    mas o que eu queria dizer é que se não fosse a equipa sub-23, alguns dos jogadores que estão na b e na sub-23 teriam sido emprestados porque seriam demasiados para uma só competição e poderiam engrossar o lote de emprestados, se eventualmente não fossem vendidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguns poderiam acabar emprestados.
      Penso que sem os sub-23 muitos continuariam nos juniores, dois ou três entrariam na B, e o resto seriam dispensados, que é o que vai acontecer à grande maioria na próxima época.

      Eliminar

Espreite também...

Benfica no Pavilhão - resultados da semana XV