sábado, 30 de setembro de 2017


Benfica no Feminino - O Regresso!

Benfica Modalidades Femininas
A tradicional Selfie no Estádio da Luz
As modalidades femininas do Benfica já trabalham há algumas semanas com vista à participação nas diferentes competições da nova época 2017/18.
Espera-se que as equipas de Futsal e Hóquei em Patins repitam a boa época realizada o ano passado. Foram vários os títulos somados por ambas as equipas, com destaque para a conquista do campeonato nacional.
Do Basquetebol, fruto das novas aquisições, espera-se que se intrometa seriamente na luta pelo título nacional, à imagem das outras duas modalidades. A aposta está feita, esperemos que dê os frutos desejados
Domingos Almeida Lima, vice-presidente para as modalidades deixou a mensagem: “O desporto feminino é uma realidade atual no Benfica e que queremos que se desenvolva cada vez mais. Desejo um ano muito bom e com muito trabalho, muita dedicação e respeito pelos adversários”.

Basquetebol

Benfica Modalidades Femininas Basquetebol
O plantel da equipa de Basquetebol
A equipa iniciou a época com a participação na XI edição da Taça Vítor Hugo com uma participação muito modesta ao classificar-se em sétimo lugar. Esperemos por melhorias já que o plantel colocado à disposição do treinador assim o exige.
Plantel:
Catarina Neves, Cynthia Dias, Dejza James, Dora Duarte, Filipa Bernardeco, Inês Cruz, Joana Ramos, Jéssica Garcia, Ladondra Johnson, Mafalda Borges, Mariana Silva e Telma Fernandes.
Treinador: André Cardoso
Declarações:
André Cardoso:Chegaram duas atletas estrangeiras que acrescentam qualidade, com uma capacidade atlética diferente daquela que existe no basquetebol português. Vamos trabalhar para fazer uma grande equipa, com capacidade de lutar por bons resultados
Joana Ramos:As condições têm vindo a melhorar e está tudo a postos para a nova época”.

Futsal

Benfica Modalidades Femininas Futsal
O plantel da equipa de Futsal
O futsal começou a época em grande com a conquista da Supertaça ao vencer por três golos sem resposta a equipa da Novasemente. Parabéns meninas!
Também no campeonato nacional a estreia foi auspiciosa com vitória fora sobre o Arneiros por 1-4.
Plantel:
Guarda redes: Ana Catarina, Bety Delgado, Patrícia Mexia.
Fixo: Claudinha, Débora Venâncio e Nina Pereira
Universal: Inês Fernandes.
Ala: Cátia Tavares, Fifó, Janice, Maria Pereira, Raquel Santos e Sara Ferreira.
Pivot: Ana Alves e Cláudia Lobo.
Treinador: Bruno Fernandes.
Declarações:
Bruno Fernandes:Mantivemos 80% do plantel. Jogamos hoje em Torres Vedras para a Taça de Honra e é um título que queremos revalidar, tal como fizemos na Supertaça. Estamos a trabalhar para as restantes provas, entre as quais o Campeonato”.
Inês Fernandes:O Benfica tem feito um caminho incansável, está muito diferente desde que cheguei. Estamos na linha frente no futsal feminino e só podemos estar orgulhosos”.

Hóquei em Patins

Benfica Modalidades Femininas Hóquei Patins
O plantel da equipa de Hóquei em Patins
A equipa de hóquei inicia a temporada este fim de semana com a participação no torneio de Abertura de Hóquei em Patins da Associação de Patinagem de Lisboa. Já o encontro para a Supertaça frente ao Stuart de Massamá está agendada para o dia 7 de Outubro em Alenquer.
Plantel:
Guarda redes: Maria Vieira e Sandra Coelho.
Defesa/Médio: Inês Vieira, Macarena Ramos, Raquel Abreu e Rute Lopes.
Avançada: Ana Arsénio, Andreia Leal, Marlene Sousa e Rita Lopes.
Treinador: Paulo Almeida.
Declarações:
Paulo Almeida:É mais fácil trabalhar ao ter o mesmo plantel. Temos, entretanto, um jogo amanhã em casa e convido desde já que compareçam no nosso Pavilhão. Temos conseguido títulos e a ambição de vencer vai continuar a existir”.
Rute Lopes: Sentimos que o Clube tem mais condições e capacidade a cada ano que passa, e isso facilita as conquistas”.


#naomefodas mode on
  • Hoje não há. O respeitinho é muito lindo!!! ;-)
#naomefodas mode off



Abraço


sexta-feira, 29 de setembro de 2017


A reflexão que se impõe – A Santa Aliança

Benfica Futebol Marquês Pombal
Só com títulos se combate a Santa Aliança
O momento atual do Benfica justifica uma paragem para refletir no que tem sido o caminho percorrido desde a conquista do Tetra Campeonato. No desporto em geral e no futebol em particular é muito ténue a linha que separa o sucesso do fracasso. Pela fragilidade dessa linha e pela existência de todo um conjunto de variáveis mais ou menos incontroláveis, torna-se arriscado, e por muitas vezes injusto, avaliar os resultados apenas como consequência das opções tomadas.
Tal não invalida, bem pelo contrário, que não devamos procurar analisar todas as opções tomadas e as suas consequências no atingir do objetivo proposto. Por isso numa série de artigos vou abordar um conjunto de áreas, tentando perceber as ideias por trás das decisões tomadas e procurando encontrar novos caminhos e soluções:

A Santa aliança

A ideia de uma aliança entre o Porto e o Sporting como forma de combater a supremacia do Benfica não é uma inovação deste século. Já no mandato de José Roquete esse entendimento tácito era colocado em prática, como revela o antigo presidente do Sporting, João Rocha, ao jornal Record:
- “Havia um projecto com o FC Porto que era muito prejudicial para o Sporting. Era mesmo inqualificável. Insurgi-me num Conselho Leonino e numa assembleia geral. Era um projecto gravíssimo que só podia sair da cabeça de um indivíduo sem responsabilidades. José Roquette dizia que era um projecto válido, porque era a única maneira de Sporting e FC Porto estarem sempre representados na Liga dos Campeões.”.
- “Foi falado no Conselho Leonino e eu disse ao líder da AG para mandar calar sobre essa informação, que foi longe demais. Disse-lhe ainda que o resumo do acordo com o FC Porto devia ser gravado de tão grave que era, porque talvez fosse necessário que essa gravação viesse a ser pública na defesa dos interesses do Sporting e dos seus sócios.”.
Com este histórico e estando o Benfica num ciclo de vitórias impressionante não surpreende ninguém esta, agora assumida, aproximação entre ambos os clubes. Batizada de Santa Aliança, mais não é do que o reconhecimento da grandeza do Benfica e da incapacidade de cada um desses clubes por si só conseguir atingir as desejadas vitórias.
O namoro foi assumido num encontro no Hotel Altis em inícios de maio deste ano numa tentativa desesperada de travar a caminhada do Benfica rumo ao Tetracampeonato. O encontro “secreto” foi precedido de convocatória também ela “secreta” à comunicação social para que todo o país, “secretamente”, tomasse conhecimento do encontro.
Benfica Futebol Santa Aliança
O encontro secreto da treta
O objetivo passava claramente pela tentativa de desestabilizar a estrutura do Benfica na fase decisiva da época. Entretanto havia falhado aquele que era o grande trunfo da santa aliança que era a desejada derrota do Benfica em Alvalade.
Dos objetivos da santa aliança - de cujo comunicado ironicamente consta algo como: “O objetivo comum de Sporting e FC Porto é reformular o futebol português e promover a transparência e a verdade desportiva" - destacam-se os seguintes:
  • Provocar instabilidade interna no Benfica;
  • Causar danos à reputação do Benfica em termos nacionais e internacionais;
  • Enfraquecer o Benfica em termos de patrocinadores;
  • Promover uma narrativa que desvalorize o mérito das conquistas do Benfica associando-as a jogos de bastidores;
  • Marcar a agenda dos programas de comentário desportivo e controlar o desenrolar dos mesmos através da superioridade numérica;
  • Repartir de forma coordenada os ataques ao Benfica e outras instituições, assim como as reações subsequentes a esses mesmos ataques;
  • Utilizar os órgãos de comunicação social e jornalistas “amigos” para fazer eco e prolongar no tempo os ataques lançados;
  • Sistematizar as ações de coação sobre a arbitragem, a justiça, a disciplina, os dirigentes desportivos e inclusive sobre os outros clubes.
Todos estes objetivos têm sido postos em prática ao longo dos últimos meses fazendo com que o futebol português atinja um nível de belicismo nunca antes observado. Ambos os clubes, através dos seus diretores de comunicação e outros agentes propagadores de ruído, mantêm uma agenda mediática contínua que em nada se coaduna com o teor do comunicado conjunto que emitiram.

O que eu penso?

Infelizmente penso que a estratégia tem dado os seus frutos, assentando num controlo dos meios de comunicação social que me parecia de todo impossível em pleno século XXI. Esse controlo resulta em parte na influência direta dos grupos de comunicação social afetos aos dois clubes, que já nem sequer têm a preocupação de disfarçar a sua parcialidade.
A outra forma de controlo, quase impossível de combater, advém do facto dos temas polémicos serem o principal mote para as audiências. Se meter o nome do Benfica pelo meio, então é a cereja no topo do bolo. Em tempo de vacas magras para a imprensa, a santa aliança tem sabido aproveitar bem este facto.
Gostaria que assim não fosse, mas a estratégia tem dado os seus frutos:
  • Pressente-se a instabilidade dentro do clube. Aquela máxima de deixar os cães ladrar enquanto a caravana passa, que tão bom fruto deu, parece posta em causa.
  • A imagem do Benfica vai-se degastando e esperemos que esse desgaste não se reflita nas gerações futuras.
  • A pressão sobre arbitragens, justiça e disciplina tem dado os seus frutos. Em caso de dúvida os árbitros beneficiam a santa aliança, pois não querem passar o resto da semana sob os holofotes. A justiça castiga Samaris, com vários casos similares a passarem em claro. A federação apenas vem dar satisfações quando o vídeo-arbitro fez justiça no jogo do Benfica com o Portimonense e poderia continuar com muitos outros exemplos.
  • Os responsáveis, quer técnicos quer dirigentes, de outros clubes têm declarações pré e pós jogo com o Benfica que não se comparam com a subserviência prestada à santa aliança. O vídeo apresentado pelo treinador adjunto do Portimonense é um bom exemplo disso.
  • Com tantas acusações de manobras de bastidores, os adeptos do Benfica parecem sentir-se inibidos no que diz respeito às queixas de arbitragem, mesmo quando os roubos são descarados. Mais um fator que inclina a tomada de decisão dos árbitros para o lado da santa aliança.
  • Alguns adeptos têm encarnado a narrativa de que as conquistas dos últimos anos não o foram por mérito próprio. Este sentimento tem levado muitos a desvalorizar os méritos de um grupo de trabalho que foi exemplar nas duas últimas épocas, quebrando uma química que foi a base de sustentação das muitas vitórias alcançadas.
Estas são apenas algumas das situações que saltam mais à vista, muito mais haveria por escrever.
Benfica Futebol Imbestigue-se
Um bom exemplo de comunicação

Como reagir

Sem dispor de todos os dados da equação, nem pouco mais ou menos, diria que não é fácil contrariar o panorama atual. Certamente que o Benfica terá gente especializada nas áreas da comunicação e ciências sociais a analisar esta temática e a definir estratégias de curto e médio/longo prazo. Pelo menos assim o espero.
Do meu ponto de vista há três situações que me parecem fundamentais para combater o atual estado de coisas:
  • Da parte do clube recolocar o foco no trabalho dentro de portas e continuar a ganhar dentro do campo. As nossas vitórias serão o melhor antídoto para todo o veneno destilado pela santa aliança. Percebendo que dentro do Benfica certamente que terão um pensamento semelhante; ainda hoje leio que o presidente declarou: “Só os bons resultados desportivos permitirão consolidar as nossas opções”; torna-se para mim quase incompreensível o desinvestimento desenfreado que se verificou esta época.
  • Da parte dos sócios/adeptos assumir o orgulho no clube, reconhecer o mérito das nossas vitórias; então os últimos dois anos foram mesmo épicos; reconhecer os méritos dum grupo de trabalho que deixou tudo em campo.  Andar de cabeça bem levantada com o orgulho de sermos Tetracampeões mesmo que a época esteja a correr mal; uma coisa não invalida a outra. Não ter pruridos em reclamar das arbitragens, da discriminação na aplicação de castigos ou mesmo do discricionarismo das declarações dos altos dirigentes do nosso futebol. Adeptos à Benfica impõe respeito a qualquer rival.
  • Da parte do grupo de trabalho perceber a importância deste momento. Pode a época não ter sido planeada da melhor forma e o plantel apresentar algumas lacunas, mas mesmo assim existe qualidade para chegar ao sucesso. É recuperar a atitude dos últimos anos e lutar connosco, por nós que bem merecemos, pela reconquista dos títulos que tanto trabalho nos deram na época passada.
Só assim poderemos fazer com que a santa aliança se esfume e o futebol português volte a ser um meio minimamente respirável.

#naomefodas mode on
  • Quem se lembrou da treta do desinvestimento no contexto especial que esta época apresenta, devia era aplicar o desinvestimento na sua casa e passar a época a pão e água. Pó crl, pah!
  • Não entrem na narrativa dos fdp dos dragartos. Ninguém dentro de nossa casa o deve fazer. Fechar as portas, fechar a boca, trabalhar muito e dessa forma certamente que a santa aliança entra em insolvência como o outro crl.
  • Foram quatro campeonatos ganhos com muito suor, contra tudo e contra todos, sempre até ao último minuto. Fds, não entramos em campo de cabelo pintado a dez jogos do fim do campeonato. Não crl, foi sempre suadinho. Muito orgulho!
  • Que tem o desdentado a dizer da impossibilidade dos atletas emprestados estarem impedidos “oficiosamente” de defrontar o clube parceiro?
  • Correm uns zunzuns que na santa aliança são todos iguais, mas uns são mais iguais que outros. Será?!?
#naomefodas mode off

Abraço


quarta-feira, 27 de setembro de 2017


Bayern Munique vs Benfica - Humilhação

Benfica Futebol Emigrantes
Estes são os verdadeiros heróis
O Benfica deslocou-se à Alemanha para defrontar o Bayern Munique na 2ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões 2017/18. Os emigrantes portugueses marcaram presença em massa no apoio aos Tetracampeões nacionais.
Rui Vitória fez duas alterações relativamente ao último jogo com o regresso de Jardel para fazer dupla com Luisão no centro da defesa e a troca de Seferovic por Raúl Giménez.
Onze inicial: Júlio César, André Almeida, Luisão, Jardel, Grimaldo, Fejsa, Zivkovic (Samaris 74’), Pizzi, Cervi (Salvio 45’), Jonas (Seferovic 67’) e Raúl Jiménez.
Suplentes: Varela, Samaris, Filipe Augusto, Rafa, Salvio, Gabriel Barbosa e Seferovic.

Início comprometedor

Se já era complicada esta deslocação à Alemanha, mais difícil se tornou com o golo sofrido logo aos dois minutos de jogo. Não se pode dar tanto espaço a jogadores como Roben ou Ribery.  O Bayern recuou linhas e entregou o domínio do jogo ao Benfica começando logo aí a fazer gestão para o próximo jogo da Bundesliga. Foi portanto em contra-ataque que chegou ao segundo golo ainda antes do intervalo.
Estará aprendida a lição do Bessa?
A segunda parte trouxe um Benfica a procurar um golo que lhe permitisse sonhar com a reviravolta. Bem procurou o Benfica só que do outro lado estava um sério candidato à conquista desta edição da Champions. Muita qualidade da parte dos germânicos que sem acelerar muito foram dilatando a vantagem no marcador.
O resultado é pesado, mas reflete a diferença de qualidade entre as duas equipas. Esta derrota não pode interferir com o processo de recuperação psicológica iniciado com a vitória frente ao Paços de Ferreira. Derrota dolorosa mas que não pode deixar marca já que do outro lado estava um dos grande colossos europeus. Há que dar resposta já no fim de semana frente ao Marítimo.

#naomefodas mode on
  • Alguém me pode explicar o que crl fazem dois jogadores junto à bola para marcar um canto?
  • Como cometemos o sacrilégio de marcar um golo de canto contra o Paços Ferreira, logo equilibramos as coisas sofrendo um golo num canto a nosso favor, pqp.
  • A mrd da exibição até o torna ridículo, mas tenho que o escrever: esta pt desta arbitragem é pior que a pior que a Liga NOS teve. Aliás na sequência do que foi arbitragem da primeira jornada.
  • Vamos lá dar uma resposta à Benfica já no fim de semana. Se não, é mandar tudo com o crl.
#naomefodas mode off

Venha o próximo e viva o Benfica!!!
Benfica Futebol Raúl Jiménez
Raúl Jiménez o único que se safou

Destaques do Baralho

REI: Emigrantes – São TOP mundial. Para eles fica um grande abraço. Se quiserem eu passo-vos um atestado médico para não terem que ir trabalhar amanhã.
ÁS: Raúl Jiménez – O único jogador que se mostrou à altura do desafio.
SENA: Escorregadelas – Com o nível de profissionalismo que o futebol atingiu, já não faz qualquer sentido este tipo de situações.
DUQUE: Todos menos o Jiménez – Mau de mais para ser verdade.
Abraço


Benfica na Tweetoesfera!!! - VIII

Divirta-se com um apanhado do que se vai passando pela Tweetoesfera Gloriosa. Crédito total aos respectivos intervenientes.

Magnifico! Reparem na hora de publicação ;)

É tudo uma questão da intensidade do aperto. 

Contrastes!

Tem-se portado melhor o Taarabtezinho!

Bem a Rute na análise!

Espero que esta foto não sobrecarregue o servidor.

Peço desculpa pelo intromissão. Distrital? Parabéns Lourosa!

Faça chuva ou faça sol, aí estão eles...

Fico igualzinho!

Bem no meio dos "assassinos". Masoquismo, certamente.

O Benfica manda nesta mrd toda!!!

Mainada!!!

Fabinho - parte I

Fabinho - parte II

Fabinho - parte III

Aí está o ansiado 8!

Sério? Não estava à espera desta.

Vamos mas é pensar já em 2018/19.

Evita Nelsinho... tens família.

Saudades do menino!


Caso tenham algum "tweet" aqui publicado que pretendam que seja retirado da publicação, manifestem-o nos comentários.


Abraço


terça-feira, 26 de setembro de 2017


Hóquei em Patins: Questão de Orgulho!

Benfica Hóquei Patins Selfie
A já tradicional Selfie no Estádio da Luz
A equipa de Hóquei em Patins do Sport Lisboa e Benfica já deu início aos trabalhos para a nova temporada 2017/18. A presença de cinco atletas no campeonato do mundo fez com que só nos últimos dias o grupo de trabalho se apresentasse completo.
O final da época passada foi traumático, marcado por um assalto épico que impediu a conquista do merecido título. A forma como se perdeu o campeonato aliada à atitude provocatória dos dirigentes federativos levou ainda a que a direção decidisse não participar na fase final da Taça de Portugal.
A polémica decisão, penso que inédita na história do clube, não pode deixar marcas dentro do grupo de trabalho nem na relação entre os adeptos e a equipa. É hora de tocar a reunir e apontar baterias ao que de facto interessa: o futuro.

O novo plantel

São poucas, mas importantes, as alterações ao plantel para a nova temporada. Regressa Pedro Henriques para a baliza possibilitando uma real alternativa a Trabal. Acrescenta ainda qualidade na defesa das bolas paradas, momento cada vez mais decisivo na modalidade.
A outra alteração prende-se com o ingresso de Vieirinha para o lugar de João Sardo. Além da qualidade que o jogador traz permite que Miguel Rocha volte a ser utilizado como avançado.
Benfica Hóquei Patins Plantel
O plantel para a nova época
Na globalidade o Benfica fica com um plantel com mais qualidade e equilíbrio. Pede-se que se lute por todos os títulos de forma empenhada desde o primeiro apito do árbitro no primeiro jogo da época. Não há que facilitar, há sim que dar uma resposta à Benfica dentro do rinque. Os adeptos lá estarão para dar o apoio de sempre.
O plantel para a época 2017/18:
Guarda redes: Guillem Trabal e Pedro Henriques;
Defesa/médio: Diogo Rafael, Tiago Rafael, Valter Neves e Vieirinha;
Avançados: Carlos Nicolia, João Rodrigues, Jordi Adroher e Miguel Rocha.
Equipa técnica:
Treinador: Pedro Nunes;
Adjunto: Tiago Vaz;
Preparador físico: Tiago Falé.

Pré-época

Entretanto foi efetuado o sorteio da fase de grupos da Liga Europeia com o Benfica a integrar um grupo complicado: Barcelona (Espanha), Forte dei Marmi (Itália) e Montreux HC (Suíça). Apuram para os quartos de final os dois primeiros classificados.
Em termos de pré-época a assinalar a conquista do Torneio Cidade de Famalicão com uma vitória na final sobre o Grândola por 14-3. Na meia final o Benfica já levou de vencida o Famalicense por 6-3.

#naomefodas mode on
  • João e Diogo, Mundial? Eh pá, huuummmm, sei lá... fds!
  • Diz quem viu que a mrd do sorteio para a Liga Europeia foi qualquer coisa… Pelos vistos eram os artistinhas da federação que por lá andavam.
  • Benfica ganha tudo no hóquei feminino nos últimos anos de forma arrasadora. Campeonato do mundo da modalidade: duas jogadoras do Benfica convocadas! Pqop.
  • Há que reconquistar o título, crl! Nem que seja preciso comer os tacos do pavilhão.
#naomefodas mode off

Benfica Hóquei Patins João Rodrigues
Alguém consegue olhar sem se emocionar?

Declarações

Pedro Nunes: “Que seja a última vez que falemos da época transata! E não pensem que o Benfica é uma equipa traumatizada porque não é! Esta é uma nova época e, como tal, esta equipa também tem uma nova vida, renova a sua ambição, o desejo de conquistar títulos, mas - acima de tudo - renova o compromisso, a atitude, a humildade, e a ambição, repito, de conquistarmos todas as provas”.
Valter Neves: “Já estamos todos a trabalhar juntos e começou agora a nossa caminhada relativamente áquilo que é o nosso desejo de continuar a ganhar mais ao serviço do Sport Lisboa e Benfica. Claro que nesta fase o objetivo é sempre criar rotinas dentro e fora da pista, sendo que o grupo mantém as mesmas linhas condutoras dos últimos anos, portanto, esse processo não será difícil e daremos sempre o máximo com muita ambição para ganharmos títulos ao serviço do Benfica”.
Vieirinha: “Era um objetivo jogar num clube grande e representar o Benfica, que é o meu Clube de coração. Não posso estar mais orgulhoso quero e agradecer a confiança do treinador e do vice-presidente por me deixarem representar este Clube”.

Abraço


segunda-feira, 25 de setembro de 2017


A reflexão que se impõe – A Equipa técnica

Benfica Futebol Rui Vitória
É este ar sereno e confiante que  queremos sempre
O momento atual do Benfica justifica uma paragem para refletir no que tem sido o caminho percorrido desde a conquista do Tetra Campeonato. No desporto em geral e no futebol em particular é muito ténue a linha que separa o sucesso do fracasso. Pela fragilidade dessa linha e pela existência de todo um conjunto de variáveis mais ou menos incontroláveis, torna-se arriscado, e por muitas vezes injusto, avaliar os resultados apenas como consequência das opções tomadas.
Tal não invalida, bem pelo contrário, que não devamos procurar analisar todas as opções tomadas e as suas consequências no atingir do objetivo proposto. Por isso numa série de artigos vou abordar um conjunto de áreas, tentando perceber as ideias por trás das decisões tomadas e procurando encontrar novos caminhos e soluções:

A Equipa técnica

Benfica Futebol Rui Vitória UEFA
Rui Vitória entre a elite mundial
Rui Vitória foi o homem escolhido pelo Benfica para dar corpo à ideia do Novo Paradigma. O treinador chega ao Benfica após uma carreira sempre em sentido ascendente, que começou no Vilafranquense em 2002/03 e passou pelos juniores do Benfica, Fátima, Paços Ferreira e Vitória de Guimarães.
Foi precisamente num Guimarães em processo de desinvestimento que Rui Vitória apresentou os atributos que o colocaram na mira do presidente do Benfica, muito pela forma como foi lançando jovens jogadores da equipa B ao mesmo tempo que apresentava um futebol de qualidade e atingia os objetivos do clube. Muitos desses jovens acabaram por dar o salto para clubes de maiores dimensões. Estes factos fizeram dele um alvo apetecido.
Rui Vitória chega ao Benfica para substituir Jorge Jesus que vinha de dois anos de sucesso, o que representaria sempre uma herança pesada. Pesada porque vem substituir o treinador Bicampeão e também porque o clube se encontrava dividido pela decisão de abdicar de Jorge Jesus. O peso assume proporções épicas quando Jesus opta por dar continuidade à sua carreira no outro lado da segunda circular.

Início traumatizante

Acaba por ser traumático o início de carreira de Rui Vitória na Luz. O perfil menos carismático quando comparado com o anterior treinador deixa os adeptos desconfiados. A derrota na Supertaça e o mau início de campeonato culminado com a derrota por três golos em casa, frente ao velho rival, deixam o clube perto de um ataque de nervos. Esperava-se o descalabro.
Só que nesse jogo aconteceu história, e não foi pelo resultado. Ao minuto 70, o inesquecível minuto 70, o estádio em uníssono começa a entoar o “Eu amo o Benfica!” de forma prolongada e arrepiante. Este momento, aliado à soberba apresentada do outro lado da estrada, transporta o Benfica para um nível superior. Rui Vitória ganha confiança, os jogadores e adeptos colocam-se do lado dele e entra-se numa espiral de vitórias que levam o Benfica ao Tricampeonato. Estava finalmente ultrapassado o trauma causado pela transição de treinadores.

Do inédito Tetracampeonato ao regresso da desconfiança

Benfica Futebol Equipa Técnica
A equipa técnica aquando da última renovação
A época 2016/17 é a confirmação de um Rui Vitória sereno, confiante e focado nos objetivos a atingir. Deu sequência à aposta nos jovens iniciada na época anterior; com Ederson, Nelson Semedo, Lindelof e Gonçalo Guedes a fazerem parte do onze base. Apesar da juventude, Rui Vitória conseguiu conduzir a equipa à conquista de três das quatro competições nacionais.
Na fase inicial da temporada atual, fruto da volatilidade dos humores no mundo do futebol, voltou a desconfiança. Um empate e uma derrota na Liga NOS, uma derrota na Liga dos Campeões e um empate caseiro na Taça CTT fizeram soar os alarmes. A preocupação é acentuada pelo facto dos maus resultados surgirem associados a fracas exibições. A vitória e a exibição mais colorida no último jogo parecem ter desanuviado um pouco o ambiente. Que tenham continuidade.
A equipa técnica completa:
Treinador: Rui Vitória.
Adjuntos: Arnaldo Teixeira, Sérgio Botelho, Minervino Pietra e Marco Pedroso.
Preparador físico: Paulo Mourão.
Treinador de guarda redes: Luís Esteves.
Rui Vitória faz-se acompanhar há vários anos por Arnaldo Teixeira e Sérgio Botelho. Trabalhou com Paulo Mourão e Luís Esteves em Guimarães, sendo que este último apenas ingressou no Benfica na última temporada. Pietra e Marco Pedroso transitaram da equipa técnica de Jorge Jesus. A composição da equipa técnica demonstra o cuidado do treinador em trabalhar com homens da sua confiança.

O que eu penso?

Rui Vitória é um bom treinador. Apresenta atributos como competência, inteligência, seriedade e capacidade de foco. Carece de algum “carisma”, aquela capacidade de agitar as águas com apenas uma palavra, de mobilizar as massas com um único gesto.
Tem apresentado uma capacidade de gerir o balneário que merece realce. Neste aspeto penso que tem aproveitado muito bem a “gasolina” que os adversários vão metendo no Ferrari. A célebre afirmação de que ele “nem treinador era” terá sido o momento em que conseguiu ganhar definitivamente o grupo de trabalho.
Parece-me um treinador que se sente melhor em períodos de escassez do que de abundância. Tem sido nos momentos em que o plantel está mais debilitado que tem demonstrado a capacidade de encontrar soluções. Nos raros momentos em que dispõe de quase todas as soluções aparenta alguma desorientação.
Quase todas as apostas nos jovens da formação têm resultado das constantes lesões no plantel. Tal não lhe retira o mérito já que muitos outros preferem a adaptação doutros jogadores mais experientes ao risco de colocarem os jovens em campo. Tem também tido o mérito de manter os jovens quando estes dão conta do recado.
Este ano tem demonstrado alguma instabilidade no contacto com a imprensa, perdendo alguma da assertividade que tão bem o caracteriza. Tem entrado em algumas querelas evitáveis com os jornalistas, embora alguns de facto o mereçam.
Benfica Futebol Rui Vitória Jorge Jesus
Rui vitória e o homem que abasteceu o Ferrari
Há também algumas afirmações que um Rui Vitória mais tranquilo não faria. Falo por exemplo da defesa pública do Filipe Augusto com a referência a dados estatísticos. Só colocou mais pressão no jogador e os olhos de toda a gente em cima do seu desempenho. Era tão fácil usar a típica expressão de que não individualizava a análise.
Outro exemplo é a frase dita no final do jogo com o Braga: “Que o jogo de sábado venha rápido”. Demonstra e amplia uma ansiedade que se quer afastada da equipa. Podia usar algo do tipo: “Temos já um jogo no próximo sábado que é preciso preparar com competência e serenidade”.
Desejo, desejamos todos, que a equipa entre num ciclo de vitórias para que regresse a confiança a toda a envolvente do clube. Massa adepta, dirigentes, treinadores e jogadores.

#naomefodas mode on
  • Nós podemos criticar os nossos, ponto. Já quando os "outros" atacam os nossos, então tamujuntos na briga, crl!
  • Há que serenar Rui! Vai lá reler a Arte da Guerra, tá lá tudo, como tu bem sabes.
  • Se o pessoal que paga as continhas tem que ser racional, tu aí no meio tens que nos dar voz a nós, que não queremos saber de contas pra nada. Pede craques, crl! Quem não chora não mama.
  • Fds, ó Judas, manda lá aí umas boquitas. O Ferrari precisa de gota.
  • Ah, ia-me esquecendo… aperta com o preparador físico, já tou farto de tanta lesão.  
#naomefodas mode off

Abraço


sábado, 23 de setembro de 2017


Benfica vs Paços Ferreira - A Retoma

Benfica Futebol Fejsa
Fejsa - O regresso do dono disto tudo
Foi sobre brasas que o Benfica recebeu o Paços Ferreira para a sétima jornada da Liga NOS 2017/18. O Estádio da Luz recebeu mais de 47 mil espetadores que apoiaram a equipa do primeiro ao último minuto.
O jogo marcou o regresso de Fejsa ao onze titular após não ter saído do banco na última quarta-feira. Rui Vitória voltou a apostar na dupla constituída por Luisão e Rúben Dias no centro da defesa. Destaque ainda para a entrada de Cervi para fazer dupla com Grimaldo na ala esquerda do Benfica.
Onze inicial: Júlio César, André Almeida, Luisão, Rúben Dias, Grimaldo, Fejsa, Zivkovic, Pizzi, Cervi (Diogo Gonçalves 85’), Jonas (Krovinovic 81’) e Seferovic (Raúl Jiménez 70’).
Suplentes: Varela, Samaris, Krovinovic, Rafa, Diogo Gonçalves, Gabriel Barbosa e Raúl Jiménez.

Repetir entrada forte

Mais uma entrada forte no jogo por parte do Benfica com um futebol muito dinâmico e pressionante que desde cedo encostou o Paços de Ferreira à sua grande área. Ao contrário dos jogos anteriores, desta feita a boa entrada não foi acompanhada pelo golo. Se calhar esse facto até foi positivo já que obrigou a equipa a manter sempre a alta rotação.
As oportunidades sucediam-se, mas devido a boas intervenções do guarda redes ou ao excesso de pontaria com três bolas no ferro, o golo não aparecia. Em cima do minuto vinte chega finalmente o ansiado golo. Cruzamento da direita de Zivkovic para uma excelente finalização de Cervi. Desta feita a equipa não tirou o pé do acelerador e foi apenas por ineficácia que não ampliou o marcador antes do intervalo.

Continuar dono do jogo

Benfica Futebol Franco Cervi
Franco Cervi abriu o marcador com um golaço
Na segunda parte o cariz do jogo não sofreu grande alteração. Continuou o Benfica a mandar no jogo embora sem a vertigem que demonstrou durante grande parte dos primeiros 45 minutos. Mais uma vez as oportunidades iam sendo desperdiçadas e o golo da tranquilidade não aparecia. Apesar disso a equipa não se intranquilizou e manteve o controlo do jogo.
Finalmente, perto da hora de jogo, chega o segundo golo por Jonas na sequencia de um canto, algo raro esta época. Até ao final as oportunidades sucederam-se, mas por mérito do guarda redes ou demérito dos atacantes, o resultado não mais se alterou.
Regresso às vitórias num jogo onde o Benfica manteve ao longo dos 90 minutos o bom futebol que tinha apresentado apenas na fase inicial dos dois últimos jogos. Foi um Benfica mais pressionante, mais asfixiante, que não permitiu que o adversário saísse do seu reduto defensivo. Não se pode dissociar este controlo mais acentuado do regresso aos relvados de Fejsa. É hoje em dia o jogador mais imprescindível para a equipa. Boa vitória, boa exibição, mais três pontos que permitem caminhar no sentido da tranquilidade necessária.

#naomefodas mode on
  • Fds Fejsa, arranja lá forma de controlar as lesões como controlas todos os metros quadrados do relvado.
  • Com o Fejsa em campo até o Varela esteve mais seguro. Nem uma única falha em todo o jogo! Desculpa Varelão, não resisti ;)
  • Só vi um gajo triste no Estádio da Luz. O homem que trata a pintura das balizas estava todo fdd com a tinta que tiraram dos postes e da barra.  
#naomefodas mode off

Venha o próximo e viva o Benfica!!!
Benfica Futebol Festejos
Saudades desta união

Destaques do Baralho

REI: É preciso escrever? – Se alguém acha que ele é Decacampeão por acaso, não percebe nada disto.
ÁS: Zivkovic – Mais uma grande exibição deste pequeno génio. Quando se alia uma cabeça sempre levantada a um pé esquerdo com olhinhos…
SENA: Elogio ao Xistra – Nunca na minha vida pensei escrever isto. Há uma boa dezena de lances em que ele mandou jogar, que com as arbitragens do Bessa ou do jogo com o Braga teriam sido falta. E foram essas faltinhas que nos empurraram nesses jogos.
DUQUE: Ineficácia – Há que melhorar esses níveis de eficácia na concretização.

Abraço


sexta-feira, 22 de setembro de 2017


A reflexão que se impõe – O Plantel

Benfica Futebol Plantel 2017/18
Um plantel que soma vários títulos
O momento atual do Benfica justifica uma paragem para refletir no que tem sido o caminho percorrido desde a conquista do Tetra Campeonato. No desporto em geral e no futebol em particular é muito ténue a linha que separa o sucesso do fracasso. Pela fragilidade dessa linha e pela existência de todo um conjunto de variáveis mais ou menos incontroláveis, torna-se arriscado, e por muitas vezes injusto, avaliar os resultados apenas como consequência das opções tomadas.
Tal não invalida, bem pelo contrário, que não devamos procurar analisar todas as opções tomadas e as suas consequências no atingir do objetivo proposto. Por isso numa série de artigos vou abordar um conjunto de áreas, tentando perceber as ideias por trás das decisões tomadas e procurando encontrar novos caminhos e soluções:

O Plantel

Não se pode afirmar que o plantel que conquistou o Tetracampeonato tenha sofrido uma grande razia. O grande problema foi que as principais saídas se concentraram no setor defensivo da equipa, mais concretamente 3/5 do sector defensivo titular. Falamos de Ederson, Nélson Semedo e Victor Lindelof. A estes nomes juntam-se os pouco utilizados André Horta e André Carrillo e o muito influente Mitroglou.
Em termos de entradas destaque para o suíço Haris Seferovic, aproveitando o fim de contrato com o Eintracht de Frankfurt e para Krovinovic contratado ao Rio Ave. Já em cima do fecho de mercado chegam Douglas e Gabriel Barbosa por empréstimo do Barcelona e Inter de Milão, respetivamente.
Numa perspetiva de futuro são contratados Mile Svilar, Martin Chrien, Chris Willock e Mato Milos. Este último acabou emprestado ao Lechia Gdansk. Também numa perspetiva de futuro é recontratado Bruno Varela, que acaba por ser o titular neste início de temporada fruto da lesão de Júlio César. Da formação do clube chegam Rúben Dias, João Carvalho e Diogo Gonçalves.
O plantel final é composto por trinta jogadores:
Guarda-redes (4): Júlio César, Bruno Varela, Svilar e Paulo Lopes.
Laterais (4): André Almeida, Douglas, Grimaldo e Eliseu.
Centrais (5): Luisão, Jardel, Lisandro Lopez, Rúben Dias e Kalaica.
Médios (6): Fejsa, Samaris, Filipe Augusto, Pizzi, Chrien e Krovinovic.
Alas (6): Salvio, Zivkovic, Cervi, Rafa, João Carvalho e Willock.
Avançados (5): Jonas, Seferovic, Gabriel Barbosa, Raul e Diogo Gonçalves.

Análise sector a sector

Benfica Futebol Seferovic
Seferovic tem-se mostrado reforço
O sucesso do caminho para o Penta dependerá muito do número de lesões ao longo da época e nesse aspeto os indícios continuam a ser pouco tranquilizantes. Começa pela baliza onde era importante que Júlio César jogasse com regularidade enquanto Bruno Varela e Svilar se vão ambientando às exigências de uma equipa como o Benfica.
Nos centrais é fundamental a boa forma física de Luisão e Jardel já que as alternativas não são do mesmo nível. Lisandro continua a apresentar muita intranquilidade e precipitação quando chamado. Rúben Dias começa a ter tempo de jogo. Esperemos seja uma boa surpresa e se torne uma verdadeira alternativa para a titularidade. Kalaica deverá somar minutos na equipa B.
Nas laterais mais uma vez muito dependentes do físico de um jogador, neste caso Grimaldo. É o único capaz de criar desequilíbrios ofensivos. Esperemos que Douglas apresente atributos semelhantes. André Almeida e Eliseu vão dando conta do recado, mas por um motivo ou outro não são suficientes para serem titulares toda a época.
No centro do terreno aplica-se a Fejsa o que se escreveu sobre Grimaldo, espera-se que tenha muita saúde já que as alternativas estão muito distantes. Caso Pizzi apresente a mesma regularidade da época passada é meio caminho andado para o sucesso. Krovinovic pode ser uma boa alternativa, veremos como se adapta a um clube enorme.
Nas alas existem soluções em quantidade e qualidade. Esperemos apenas uma boa gestão por parte do treinador deste leque de excelentes executantes.
A frente de ataque é excelente sendo várias as alternativas ao dispor do treinador. Espera-se que Jonas e Severofic confirmem o bom início de época. Raul parece pronto a explodir para uma grande época. Se Gabriel Barbosa se reencontrar na Luz pode também ser um reforço inesperado.

O que eu penso?

A lógica do planeamento do plantel para esta temporada é algo que, por muito que tente, não consigo perceber. Incompreensível tendo em conta que as principais saídas se deram perfeitamente a tempo de serem devidamente colmatadas. Poderia aceitar este cenário se Ederson, Nélson Semedo e Victor Lindelof tivessem saído a 31 de agosto.
Destaco:
  • A rábula da contratação do guarda-redes sendo o expoente máximo as imagens de André Moreira no Hospital da Luz.
  • A constatação apenas ao fim de seis meses que Pedro Pereira e Hermes não eram opções válidas para as laterais.
  • Os avanços e recuos na contratação de Douglas para a lateral direita.
  • A não contratação de um defesa central de topo, dada a saída de Lindelof, o avanço da idade de Luisão e o passado recente de Jardel em relação às lesões.
Benfica Futebol André Moreira
André Moreira simboliza o desnorte
Um plantel com trinta elementos existindo ainda a equipa B para recorrer em situações de necessidade é manifestamente exagerado. Vamos ter muitos jogadores com poucos minutos de jogo. Se um plantel extenso é “gerível” quando se está a ganhar, nos momentos em que as coisas correm menos bem pode-se tornar um barril de pólvora. Esperemos que Rui Vitória tenha essa capacidade.
Entendo que jogadores como Rúben Dias, Kalaica, Chrien, João Carvalho, Diogo Gonçalves e Willock devem somar minutos na equipa B. Caso não os tenham na equipa principal, claro. É importante que apresentem mentalidade para o fazerem já que estão numa fase da carreira em que precisam de jogar. O mesmo se aplica a um dos dois guarda-redes mais jovens.

#naomefodas mode on
  • Após as imagens equipado à Benfica no hospital da Luz, André Moreira estreou-se finalmente na verdadeira Luz, o Estádio. Ainda por cima o caramelo tira o golo da vitória a Jonas nos descontos.
  • Quanto custava um central de topo? Quanto custará uma possível ausência da liga dos campeões (vade retro)? Fds, é fazer as contas, como dizia o outro.
  • Toca lá a tratar bem do físico dos meninos, crl. Seja na preparação física, seja na recuperação. Já mete nojo aos cães tanta mrd de tanta lesão.
  • E vós também, meus meninos. Há que fazer o chamado trabalho invisível, já cheira a esturro tanta fragilidade.
#naomefodas mode off

Abraço


quinta-feira, 21 de setembro de 2017


Benfica vs Braga - Eu Acredito!!!

Benfica Futebol Raul Jiménez
Raul Jiménez diz sempre presente quando chamado
Tal como no início da Liga NOS, também foi o SC Braga a apadrinhar a estreia do Benfica na Taça CTT 2017/18. Foi sem surpresa que o Estádio da Luz se apresentou mais despido do que o habitual. Jogo às 21h de uma quarta-feira, com a equipa a vir de duas derrotas não prenunciava grande enchente. Parabéns e obrigado aos sempre fieis nestas ocasiões.
Rui Vitória procedeu a várias alterações neste jogo, promovendo várias estreias. Estreia absoluta no clube para Krovinovic e a titular para Gabriel. Júlio César somava os primeiros minutos esta época. Rúben Dias estreava-se na Luz. Jardel e Fejsa regressavam de lesão embora este último não saísse do banco.
Onze inicial: Júlio César, André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Eliseu, Filipe Augusto (Jonas 74’), Samaris, Gabriel (Zivkovic 63’), Krovinovic, Rafa (Pizzi 83’) e Raul.
Suplentes: Varela, Luisão, Fejsa, Pizzi, Jonas, Seferovic e Zivkovic.

Mais um bom início de jogo

Embora Rui Vitória pretendesse manter a estrutura habitual com Filipe Augusto a “fazer” de Pizzi e Krovinovic a “fazer” de Jonas, na prática o Benfica apresentou-se com um sistema de jogo diferente do habitual 4-4-2. As características dos jogadores fizeram com que Samaris e Filipe Augusto se apresentassem num duplo pivot. Gabriel, Krovinovic e Rafa jogavam no apoio ao ponta de lança Raul.
Repetiu-se o bom início do jogo contra o Boavista e mais uma vez coroado com um golo. Raul encheu bem o pé numa bola sacudida pela defesa bracarense. Tal como no Bessa após o golo a equipa deixou de ser dominadora permitindo que o Braga começasse a dividir o jogo. Foi, portanto, com as equipas encaixadas e sem grandes oportunidades de golo que se chegou ao intervalo.

Jogar sobre brasas

Benfica Futebol Samaris
Samaris o maior exemplo das brasas que queimam
Mais do mesmo na segunda parte. Jogo muito equilibrado sempre jogado longe das balizas com o Benfica a denotar incapacidade para manter a posse de bola e muita falta de criatividade na zona central do terreno. Se já não é fácil que uma dupla Samaris e Filipe Augusto traga muita criatividade ao jogo, com toda a equipa a jogar sobre brasas ainda pior.
Á imagem do que vem acontecendo lá apareceu o golo do empate em mais um lance de bola parada. Felizmente desta vez a reviravolta não foi completa o que deixa tudo em aberto no que diz respeito à qualificação para a “Final Four”.
Retira-se de positivo deste jogo o regresso de Jardel e Fejsa, esperando que este último esteja mesmo recuperado; as estreias positivas de Krovinovic e Gabriel e, como me custa escrever isto, o interromper de um ciclo de derrotas que não hipoteca a continuidade nesta prova.  

#naomefodas mode on
  • Eu acredito. Nós somos Tetracampeões. E não o somos por obra e graça do Espírito Santo (bem… por acaso até contribuiu), nem de missas, nem de padres nem de cartilhas. Somos com muito mérito, crl.
  • Foram quatro campeonatos ganhos com muito suor, contra tudo e contra todos, sempre até ao último minuto. Fds, não entramos em campo de cabelo pintado a dez jogos do fim do campeonato. Não crl, foi sempre suadinho.
  • Só temos que ter muito orgulho no nosso Tetra. Vejo Benfiquistas meio envergonhados, quase pedem desculpa por serem Tetra. Que merda é esta crl? É nosso, deu trabalho, noites sem dormir, momentos de tensão e mau humor com o resto da família. Vamos disfrutar, vamos gritar bem alto SOMOS TETRACAMPEÕES e VAMOS SER PENTA.
  • Não entrem na narrativa dos fdp dos dragartos. Nem nós adeptos, nem os jogadores nem os treinadores nem os dirigentes nem ninguém dentro de nossa casa. Toca a fechar as portas, fechar a boca e trabalhar. Voltar ao lema “os cães ladram e a caravana passa” que tão bem interiorizamos nos últimos anos.
  • VAMOS BENFICAAAAAAA!!!!!
#naomefodas mode off

Venha o próximo e viva o Benfica!!!
Benfica Futebol Eliseu
Eliseu apresentou-se um bom plano

Destaques do Baralho

REI Eliseu – Exibição à “Boss” de um jogador cuja experiência é importantíssima numa fase destas.
ÁS: Krovinovic – Mais pelo que prometeu do que pelo que fez. É bom sentir que pode haver alternativa real a Pizzi.
SENA: Samaris – Já chega de “cenas” destas. Não basta os quatro jogos de castigo com que começou a época?
DUQUE: Árbitros – Um golo mal invalidado, um bloqueio a Jardel no golo do empate e um critério diferente nas faltas marcadas a meio campo.
Abraço 


Espreite também...

Formação @SLBenfica: Úmaro Embaló